Rua Santa Clara

210 - Brás

Ligue agora

2799 0400

Fale conosco

contato@sodesp.com.br

Cinto de segurança para cachorro e outras dicas no transporte de pets

O transporte de pets no carro deve ser feito de forma correta para garantir a segurança não apenas dos animais, mas também dos ocupantes. Além disso, bichos de estimação soltos na cabine podem se enquadrar em proibições previstas em lei. Por isso, fique por dentro do cinto de segurança para cachorro e outros acessórios de transporte.

Da mesma forma que uma bagagem, um bicho de estimação solto dentro da cabine pode se transformar em um projétil durante uma colisão. Em outros casos, o pet pode se deslocar para locais perigosos. É comum, por exemplo, que queiram ir para perto dos pés do dono, que está ao volante. Assim, vão parar debaixo dos pedais, impossibilitando a condução.

Por isso, o Código de Trânsito Brasileiro (CTB) faz algumas proibições com relação ao transporte de pets. Uma delas, no artigo 252, prevê infração média para quem “dirigir o veículo transportando pessoas, animais ou volume à sua esquerda ou entre os braços e pernas”.

Já o artigo 235, prevê infração grave para quem “conduzir pessoas, animais ou carga nas partes externas do veículo, salvo nos casos devidamente autorizados”. Este seria o caso, especialmente, dos cachorros que gostam de colocar a cabeça para fora da janela quando estão andando de carro.

Cinto de segurança para cachorro

Desse modo, é importante saber quais são as formas mais seguras para transportar animais de estimação. Uma das possibilidades é o cinto de segurança para cachorro. Este dispositivo foi desenhado especificamente para o animal.

Como explicam especialistas do Centro de Experimentação e Segurança Viária (Cesvi), o cinto de segurança normal não deve ser usado em animais, pois foi desenhado para pessoas. Assim, em caso de acidente ou movimentos bruscos do veículo, ele pode até mesmo machucar o bicho.

“O transporte correto e seguro do pet deve ser preferencialmente realizado com bolsas, caixas plásticas de transportes (de preferência forradas com nylon ou tecido) ou com os cintos de segurança próprios e de acordo com o porte do bichinho de estimação”, detalha Alessandro Rubio, coordenador técnico do Cesvi/Mapfre.

Além disso, de acordo com o centro, o animal deve ser transportado no banco traseiro. Ele deve ser feito de material semelhante ao cinto de segurança comum, e pode ter garras para se conectar aos encaixes do Isofix ou do próprio cinto.

Com o cinto de segurança para cachorro, o animal fica preso com segurança, e não será lançado em caso de colisão, o que machucaria e também a quem atingisse. Ele também ficará incapacitado de se deslocar dentro do carro, atrapalhando o motorista ou gerando multas.

Se o cachorro for grande, o ideal é que se faça uso do porta-malas, retirando-se a tampa interna. No espaço, pode ser colocada uma caixa de transporte, que deve ser bem fixada. Assim, em caso de colisão, a caixa não terá deslocamento, como informa a Cesvi.

Onde encontrar os acessórios no Brasil

No Brasil, é possível encontrar o cinto de segurança para cachorro e outros acessórios à venda em pet shops e lojas especializadas. Além disso, algumas marcas de carro oferecem sua própria linha. Recentemente, a Chevrolet lançou um pacote de acessórios para a nova Spin que inclui estes opcionais.

Segundo a marca, os instrumentos são compatíveis com outro modelos de carro, inclusive de outras fabricantes. O pacote atende a cachorros e gatos, e inclui cadeirinha, capa de proteção para bancos, guia retrátil, guia para ser conectada ao fecho do cinto de segurança, bolsa de passeio e caixa transportadora.

Outra marca que oferece acessórios para o transporte de animais é a Land Rover. Os Pet Packs foram lançados em agosto e pensados para se encaixar nos veículos da marca. No Brasil, eles podem ser encomendados por proprietários nas concessionárias da fabricante.

Entre os acessórios dos Pet Packs, estão uma manta para o porta-malas; divisória para o porta-malas; tigela de água que não derrama; transportadora de pet dobrável; tapetes de borracha; chuveirinho portátil e rampa de acesso ao porta-malas.

Fonte: Autopapo